3 tipos de desconhecimento econômico

04/08/2017

Steven Horwitz


Nada me deixa mais chateado do que ignorância econômica escancarada.


Eu sei que não sou o único. Considere a justificada crítica que Bernie Sanders sofreu nas mídias sociais por se perguntar por que os empréstimos estudantis vêm com taxas de juros de 6 ou 8 ou 10 por cento, enquanto uma hipoteca pode ser feita por apenas 3 por cento. (A resposta, é claro, é que uma hipoteca tem garantia sob a forma de uma casa, por isso é um empréstimo de menor risco para o credor do que um empréstimo de estudante, que não possui garantia e, portanto, exige uma taxa de juros mais elevada para cobrir o maior risco.)


Quando se trata de ignorância econômica, os liberais são rápidos em repetir a famosa observação de Murray Rothbard sobre o assunto:


"Não é crime ignorar a economia, que é, afinal, uma disciplina especializada e a que a maioria das pessoas considera ser uma "ciência sombria". Mas é totalmente irresponsável ter uma opinião alta e vociferante sobre assuntos econômicos enquanto permanece nesse estado de ignorância."


A ignorância econômica vem em diferentes formas, e alguns tipos de ignorância econômica são menos perdoáveis ​​do que outros. Mas a implicação mais importante do ponto de Rothbard é que o pior tipo de ignorância econômica é a ignorância sobre sua própria ignorância econômica. Existem vários graus de culpa por não conhecer certas coisas sobre economia, mas o que é sempre inaceitável é não reconhecer que você pode não saber o suficiente para falar com autoridade, nem entender os limites do conhecimento econômico.


Vamos explorar três diferentes tipos de ignorância econômica antes de retornarmos ao persistente problema de não saber o que você não conhece.


1. O que não é discutido


Comecemos com o menos perdoável tipo de ignorância econômica: não sabendo teorias ou resultados consolidados em economia. Talvez não haja muitos desses, mas há mais do que os não especialistas em especial às vezes acreditam. A incapacidade de Bernie Sanders de entender por que os empréstimos não financiados têm taxas de juros mais altas cairão nesta categoria, pois esta é uma reivindicação acordada em economia financeira. O ataque de Donald Trump ao livre comércio (e de Sanders também) seria outro exemplo, uma vez que a ideia de que o comércio livre beneficia os países ao longo do tempo é outro resultado fortemente acordado na economia.


Trump e Sanders, e muitos outros, que fazem afirmações sobre economia, mas que permanecem ignorantes de ensinamentos básicos como esses, devem ser vistos como altamente culpados por essa ignorância. Mas a falha mais profunda de muitos que cometem tais erros é que ignoram sua ignorância. Muitas vezes, eles nem sabem que há resultados acordados em economia.


2  Interpretando os Dados


Um segundo tipo de ignorância econômica, que na minha opinião é menos pior, é a ignorância dos dados econômicos. Como Rothbard observou, a economia é uma disciplina especializada, e não se espera que os não especialistas conheçam todas as teorias e fatos relevantes.Há muitos dados econômicos por aí para serem pesquisados ​​e, muitas vezes, esses dados exigem uma interpretação estatística cuidadosa para serem aplicados em questões de política pública. Fontes de dados econômicos também exigem interpretação teórica. Os dados não falam por si mesmos - eles devem ser integrados em uma história de causa e efeito através do quadro da teoria econômica.


Dito isto, no mundo da Internet, muitos dados econômicos básicos estão disponíveis e não são tão difíceis de encontrar. O problema é que muitas pessoas acreditam que certos fatos empíricos são verdadeiros e não vêem a necessidade de verificar os dados. Por exemplo, Bernie Sanders afirmou recentemente que os americanos estão trabalhando rotineiramente semanas de trabalho de 50 e 60 horas. Não há dúvida de que alguns americanos estão, mas a direção de longo prazo da semana de trabalho média está baixa, com a média atual de cerca de 34 horas por semana. Vidas mais longas e menos anos de trabalho entre escola e aposentadoria também significaram redução nos horários de trabalho e aumento do tempo de lazer para o americano médio. Esses dados são facilmente disponíveis em vários sites.


O problema da interpretação estatística pode ser visto com dados sobre a desigualdade econômica, onde as pessoas consideram erroneamente fotos estáticas das ações da renda nacional detidas pelos ricos e pobres, o que evidenciaria o declínio do padrão de vida dos pobres ou sua capacidade de ascensão.


As pessoas que desejam opinar sobre tais assuntos podem, novamente, ser perdoadas por não conhecerem todos os dados em uma disciplina especializada, mas se eles optarem por se envolver com o tópico, eles devem estar cientes de suas próprias limitações, incluindo sua capacidade de interpretar dados que eles estão discutindo.


3. Diferentes Escolas do Pensamento


O terceiro tipo de ignorância econômica e menos pior é a ignorância das múltiplas perspectivas dentro da disciplina da economia. Existem várias escolas de pensamento em economia, e muitas questões empíricas e fatos históricos têm uma variedade de explicações. Então, um filme como The Big Short que sugere claramente que a crise financeira e a Grande Recessão foram causados ​​por uma falta de regulamentação pode ser persuasivo para pessoas que nunca ouviram explicação analítica que culpa a combinação da política do Fed e a intervenção governamental equivocada no mercado de habitação pelos problemas. Pode-se fazer pontos semelhantes sobre a Grande Depressão e a diferença entre as explicações hayekianas e keynesianas dos ciclos de negócios em geral.


Essas questões envolvendo escolas de pensamento são excelentes exemplos do ponto de Rothbard sobre a natureza especializada da economia e o que o não-especialista pode e não pode esperar saber. Na verdade, não é realista esperar que os inexperientes conheçam todos os argumentos das várias escolas de pensamento.


Combinando ignorância e arrogância


O que falta em todos esses tipos de ignorância econômica - e o que muitas vezes falta nos próprios economistas - é o que chamaremos de "humildade epistêmica", ou a vontade de admitir o pouco que conhecemos. Os não economistas são muitas vezes incapazes de reconhecer o pouco que eles conhecem sobre ciência econômica, e os economistas muitas vezes não conseguem admitir o pouco que eles conhecem sobre a economia real.


O verdadeiro "conhecimento econômico" não é apenas o domínio de teorias e fatos. É uma compreensão mais profunda da variedade de interpretações dessas teorias e fatos e humildade em face de nossos limites na aplicação desse conhecimento na tentativa de gerenciar uma economia. Os economistas mais inteligentes são aqueles que conhecem os limites da experiência econômica.


Os comentadores com opiniões sobre questões econômicas, sejam candidatos presidenciais ou amigos do Facebook, podem, no mínimo, indicar que podem ter vícios ou pontos cegos que levam a usos de dados ou estruturas interpretativas com as quais os especialistas podem discordar.


O pior tipo de ignorância econômica é o tipo de ignorância que é o pior em todos os campos: ignorando sua própria ignorância.

Leia o original (em inglês) em: https://fee.org/articles/3-kinds-of -economic-ignorance/